Sentido de orientação

Há alguns anos atrás, quando comecei a conduzir, percebi que tenho maus sentido de orientação. Pelo menos enquanto conduzo; muito embora a pé, encontre mais facilmente o caminho.

Com o avançar da tecnologia, fui-me socorrendo das mais populares “app’s” de localização no telemóvel. Também me tornei um pouco dependente destes truques.

E isso notou-se quando, há dias, fiquei sem bateria na viagem de regresso.

Na viagem da manhã, fui seguindo as indicações, descontraidamente, e sem prestar muita atenção ao percurso. Como não é uma zona que conheço bem, não podia agora fiar-me na minha memória. Por isso, naquele momento, não sabia muito bem como encontrar o caminho para voltar para casa.

Mas, parada, não valia a pena ficar.

Arranquei e fui andando. Aqui e ali via pequenos pontos de referência e depois comecei a encontrar placas que me indicavam que o caminho parecia o certo.

Finalmente, cheguei a uma estrela que já conhecia bem.

Quando me vi nessa estrada, subitamente dei-me conta de que a havia encontrado, sobretudo, seguindo a minha intuição.

Aquela minha vozinha que fala do fundo.

Aquela vozinha que, quando eu me silencio para a ouvir, muito me diz. Aquela vozinha que sempre me ensina como voltar para casa.

© Isa Lisboa

sign-post-2432209_960_720

 

2020: Onde estão os carros voadores?

É certo: Não estamos a viver um filme futurista do século passado. Nem skates que flutuam, chips por debaixo da pele, nem carros voadores.

Ainda assim, dizem, o futuro está a chegar. Dizem-no as casas inteligentes, as assistentes pessoais do telemóvel e robots com nome próprio e os primeiros carros sem condutor.

Quando eu nasci, a TV era a preto e branco e, quando eu queria mudar de canal, não tinha controlo remoto – precisava levantar-me e mudar o canal no aparelho. Um dos canais. Alguns anos depois, quando a TV já era a cores, vieram mais dois.

Houve um tempo em que eu via na TV os Jogos sem Fronteiras. Hoje, após a explosão da internet, o mundo tem cada vez menos fronteiras. Talvez as pessoas tenham descoberto novas fronteiras, especialmente entre pessoas. Também descobriram algumas nelas próprias, mas encontraram formas novas de as ultrapassar.

Também nesse tempo das minhas memórias, o telefone estava preso à parede e discávamos o número para onde ligar. Hoje, nós e os telemóveis estamos menos presos aos mesmos lugares. E ainda bem: viajar é preciso. Especialmente, é preciso viajar para fora de nós.

E hoje podemos viajar sem sair do lugar. O mundo (quase) todo está à distância de um clique. Também o está a sala de cinema ou uma refeição levada a casa. Habilidades do nosso smartphone. Smarts são também alguns watches. E os novos carros, já ligados ao phone, o smartphone.

Estão mais inteligentes, os carros. Mas ainda não voam. E por acaso acho isso uma pena, especialmente quando estou no meio de uma qualquer fila de trânsito.

É provável que também as haja no ar, quando os carros voarem. Sim, porque os carros ainda não voam, mas tudo indica que estão a ganhar asas. E tudo indica que sempre iremos querer ir a algum lugar.

Foi essa vontade de ir, de descobrir, que nos trouxe aqui. A este futuro sem carros voadores, mas com tantas coisas fantásticas!

Também com bastantes e novos desafios, é certo. Mas o vento que travou algumas caravelas, também empurrou outras para lá do Cabo Bojador.

Por isso, talvez eu ainda veja auto-estradas no céu e conduza um carro alado!

© Isa Lisboa

car-3075497_1280

Imagem: pixabay.com

Acender uma vela na escuridão

FB_IMG_1488967958162

Em tempos que falta a luz, resta-nos acender uma vela, para cortar um pouco da escuridão.  Para nos permitir ver que ainda há um caminho, mesmo que não seja tempo de caminhar.

Acender uma vela em nós mesmos pode revelar-se a tarefa mais difícil que encontramos. Mas só assim saberemos o tamanho da escuridão.

E a escuridão dá medo, lembrando quando éramos crianças e os monstros se escondiam, à noite, nos cantos mais escuros da casa.

Crescemos, e a escuridão passa para aqueles momentos da vida em que tudo parece impossível, irreal e surreal.

Mas na verdade, a escuridão é a perda da esperança e a perda da fé em nós mesmos.

E a escuridão é também a cegueira de não querermos olhar para nós mesmos e ver. Ver os passos que demos e nos levaram ali. Ou os passos que não demos agora para sair.

Porque é preciso muito mais coragem para aceitarmos a nossa quota-parte no nosso destino, do que o é para amaldiçoarmos a escuridão.

Aquele canto escuro, onde nos escondemos, enrolados sobre nós próprios, com pena de nós mesmos… Esse canto, é a verdadeira escuridão, a que escondemos dentro de nós.

E se nos apegarmos demasiado a esse canto, facilmente nos esquecemos de que a escuridão não existe sem a luz: antíteses complementares que se completam.

Basta um passo, basta lembrar, acreditar. Acreditar na luz que nunca se extingue. Mas também acreditar na escuridão que sempre a acompanha.

E, sobretudo, acreditar, lembrar, assumir, que a escolha entre uma e outra, é sempre e só, apenas tua. Em cada momento, em todos os momentos. Não escolhes só uma vez, porque a vida está sempre a pôr-te à prova.

A vida põe-te à prova para que possas reclamar um prémio: a tua essência, o teu ser mais puro, quem tu és. A vida põe-te à prova para que te descubras. E para que quando te encontres te possas reinventar. Hoje, amanhã, quando for.

O que vais escolher, agora?

© Isa Lisboa

A vida é um modelo matemático?

No ramo da matemática que estudei, o passado explica o presente e ajuda a antecipar o futuro. Mas em todos os modelos matemáticos existe alguma dose de incerteza, e nunca podemos dizer que algo acontecerá com certeza absoluta. “Não temos uma bola de cristal.”

Também a vida é assim. Mesmo quem a queira transformar num grande modelo matemático, prevendo tudo… Não consegue.

O passado pode condicionar-nos ou até perseguir-nos. Mas o passado é apenas um livro de memórias com o qual aprendemos a escrever o futuro.

E a tal dose de incerteza está sempre lá presente. Precisamos conceder a nós mesmos uma margem de erro. Ou um intervalo de confiança, se preferirem.

Quantas vezes uma linha recta se transforma num círculo? Porque o fim da linha existe, mesmo que a dada altura do percurso não o consigamos ver.

A boa notícia é que, caso a linha se tenha transformado num nó, podemos sempre desatá-lo. E desenhar a forma geométrica que queremos agora.

© Isa Lisboa

geometry-1023846__340
Imagem: http://www.pixabay.com

Mudar de sapatos

Durante um tempo da nossa vida, precisamos mudar constantemente de sapatos. Com os pés em crescimento, depressa aquele número deixa de nos servir e temos que usar outro. Depois o corpo pára de crescer e aquele tamanho de sapatos deverá ser o nosso para o resto da vida.

E, se não tivermos cuidado, começamos a acreditar que tem que ser assim com tudo na vida.

Começamos a não ver as oportunidades de crescer, a deixá-las passar ao lado. A dizer – pior: a acreditar – que já não é para nós. Não queremos experimentar sapatos novos, porque aqueles assentam tão bem e são tão confortáveis.

Mais grave ainda, compramos cremes e outras panaceias para ajudar com as bolhas e calos, recusando-nos a admitir que é aquele par de sapatos que as está a causar. E os sapatos começam a apertar e a apertar, dificultando o caminhar. Podem até provocar um ligeiro, praticamente imperceptível, coxear.

Mas acreditamos que é preciso continuar, que tem que ser assim, que não há alternativa, que…

A pergunta que se impõe é: porquê? Porque é que tem que ser assim? Porque não podes descalçar-te e ficar um tempo a sentir a terra debaixo dos teus pés? Até decidires o que queres calçar agora. Depois podes até querer outros sapatos.

Às vezes a vida é assim. Porque não?

 © Isa Lisboa

plants-142405__340

Que as férias não sejam desculpa…

… Para abandonar o teu animal de estimação.

Ao fazer scrol nas redes sociais, são inúmeros os posts que mostram animais abandonados, pedindo adoptantes ou FAT’s. Infelizmente, nas férias, costumam aumentar os casos.

Se não podes levar o teu animal contigo, pede a um familiar ou a um amigo que tome conta dele enquanto estás fora. Também existem hotéis para animais ou pet sitters que se deslocam a tua casa e tomam conta do teu animal. É certo que estas últimas alternativas são mais dispendiosas e que nem todos têm disponibilidade financeira para optar por elas. Mas lembra-te de que quando levaste um animal para tua casa, assumiste um compromisso com uma vida. Por isso, encontra a melhor alternativa. A alternativa que o inclua.

Um animal doméstico não aprendeu a sobreviver na rua, como um animal que nasceu numa colónia. Tu ensinaste-o a receber mimos e a enroscar-se na mantinha que lhe deste. Ensinaste-o a comer no prato onde lhe dás a comida. Não o ensinaste a lutar com outros animais, a fugir de animais que não gostam dele, a encontrar locais para se proteger do frio. Não o ensinaste a encontrar a sua própria comida.

Um animal ama incondicionalmente. Até quando páras o carro e o abandonas na estrada, entregue à sua sorte, até nesse momento, ele continua a amar-te incondicionalmente. Lembra-te disso quando fores de férias.

© Isa Lisboa

Adão e Eva

Recentemente, visitei o Museu do Chiado, em Lisboa.

Ao chegar perto de uma escultura, fiquei a observá-la de vários ângulos.

Era um casal, um homem e uma mulher, frente a frente, de mãos estendidas um para o outro.

No rosto, mostravam uma expressão de intensa paz, de um ser que flui com a vida. Quando fui ver o autor e o nome da escultura, percebi que tinha estado com Adão e Eva. Deve ter sido aquela imensa paz que eles sentiram, aquela sensação de pertença e união com o cosmos.

Foi bom voltar a esse momento do tempo.

© Isa Lisboa

tree-trunk-569275__340

O que ouves no silêncio?

“O silêncio é uma qualidade divina, que só é apreciada e compartilhada quando é tão real que você não precisa falar muito.”

Horácio Graça

Imagem: Horácio Graça

Talvez seja por isso que tememos tanto o silêncio, especialmente nestes tempos de comunicação instantânea. Talvez seja por isso também que tanto procuramos o silêncio.

Estamos cercados de várias formas de comunicação e cada vez comunicamos menos. É um cliché que convém ser repetido e repetido. Para que a comunicação não se torne uma recordação.

Algumas pessoas não conseguem estar ao pé de outra em silêncio. Sentem uma espécie de obrigação de dizer algo. Preencher os espaços vazios. Preencher o espaço de voz, assim como preenchemos um post de uma rede social com “likes” ou com comentários.

Mas se numa rede social a ausência de “som” é suspeita de que não és ouvido(a); quando estamos frente a frente, isso nem sempre é verdade.

Porque por vezes só precisamos ser ouvidos. Não precisamos necessariamente ouvir. Por vezes, o silêncio diz tudo. Diz “Estou aqui”. Diz “Eu compreendo”. Diz “Eu aceito”. Diz “Desabafa”.

É por isso que encontrar alguém com quem podemos compartilhar o silêncio é algo poderoso. Indeed, divino, até!

© Isa Lisboa

Imaginação de Einstein (E outras divagações)

“É mais importante ter imaginação do que conhecimento.”

Albert Einstein

Sem dúvida que o conhecimento é importante. Sem ele, o mundo não conheceria o progresso, as revoluções científicas.

Alguns argumentarão que, sem o conhecimento, ainda viveríamos em cavernas.

Mas também me parece que foi a imaginação que nos tirou de lá.

Devem ter existido mentes que imaginaram uma vida diferente da de sobrevivência diária. Uma vida diferente de caçar ou ser caçado.

E deve ter havido quem se atreveu a testar essa imagem imaginada. Essa vida utópica, que a tantos parecia impossível.

Essa coisa de “ser feliz” devia parecer ainda mais estranha no tempo das cavernas. Mais estranha do que é hoje.

Sim, porque ainda hoje nos sentimos tentados a acreditar que, ou caçamos ou somos caçados. Que ganhamos ou perdemos.

Mas ganhamos o quê? Que prémio é esse? Sabes qual é esse prémio pelo qual tanto lutas? Esse prémio em nome do qual te esqueces de ti, dos teus valores, dos teus desejos? Esse prémio em nome do qual passas por cima de todos os que são fracos (ou assim os julgas tu)? Sabes?

Quando corres, sabes para onde? Sabes se realmente vale a pena correr e se queres até correr? E se estiveres a correr só por habituação? Ou porque julgas que tens uma meta a cortar?

Pois é, essa coisa de ser feliz ainda parece meio estranha. E custa pôr o nariz de fora da caverna, não é?

Divago? Ah, imaginação a mais.

Dirão alguns. Dirão alguns, de lá de dentro da caverna.

© Isa Lisboa

TEDx ULisboa – Insights sobre e com a palestra de Catarina Holstein

59460372_2918273968197907_2956930317228703744_n
Catarina Holstein, TEDx ULisboa

Catarina Holstein decidiu um dia despedir-se do seu trabalho. Entre as suas opções estava fazer um MBA. Mas decidiu fazer antes um MLA – Masters in Life Adventures. Viajando pelo mundo, aprendeu muitas coisas novas e fez assim o seu Mestrado.

Desta “aula” retive duas ideias que acho muito importantes.

A primeira é de que não é necessário viajar pelo mundo para nos auto-conhecermos. Mas para nos auto-conhecermos temos que arranjar tempo para.

Assim como precisamos de tempo para conhecermos bem outra pessoa, também precisamos de tempo para travar conhecimento connosco mesmos. Precisamos construir um relacionamento sério connosco mesmos. E isso leva tempo.

A segunda ideia foi sobre o mestrado ideal. Cada um pode encontrar o formato do seu Mestrado para a Vida. Tudo começa em decidir fazê-lo e acaba em fazer os nossos talentos florescer, e depois partilhá-los.

Catarina fez do mundo a sua sala de aulas. Mas nós, cada um de nós, pode fazer da vida o seu professor.

© Isa Lisboa