My red shoes

A vida é feita, todos os dias, de escolhas e decisões. Todos os dias escolhemos a roupa que vestimos, o caminho a tomar para o trabalho, o que tomar às refeições, etc, etc

Se a um nível tão curriqueiro, muitas são as escolhas que se nos apresentam, mais são as decisões que temos que tomar ao longo da vida.

Em cada ciclo em que nos vemos, somos convidados a reavaliar o nosso caminho, se há que nos mantermos  neste ou arrancar para outro.

E ainda, quando temos um Caminho à frente e sabemos que é o certo, ainda há que escolher os sapatos certos para a caminhada.

E esses são sempre os que sejam o nosso número, confortáveis, que nos possam levar na caminhada com um andar leve, sem apertões e sem mais cansaços além das pernas.

E, se possível, um par de sapatos com aquele toque, aquele diferente, que reflecte a nossa personalidade. Como os sapatos vermelhos da Dorothy, por exemplo!

© Isa Lisboa

high-heeled-shoes-285664_960_720

Anúncios

Decisões, ah, as decisões!

Decisões: são tão difíceis de tomar, não é?

São difíceis de tomar porque, de uma forma geral, implicam uma escolha. E quando escolhemos virar à direita em vez de à esquerda, sabemos que não escolhemos apenas o que vamos encontrar no caminho da direita. Também escolhemos abdicar do que poderíamos encontrar à esquerda.

E é quando pensamos demasiado nisso que a dúvida entra e começa a instalar-se; segredando-nos razões para a direita num ouvido e razões para a esquerda noutro.

Em ambos os ouvidos fica a ideia de algo que pode ser perdido. E a verdade é que a ideia de perder algo sempre nos causa – no mínimo – um certo desconforto.

Não está errado. A verdade é que ninguém gosta de perder – nem a feijões, como se diz. Mas em certas circunstâncias temos que aceitar que a perda é necessária e o melhor para nós, em muitas (se não todas) as situações. Neste caso, do outro lado da perda está o troféu com o que temos a ganhar com a escolha feita.

É verdade que podemos ter feito antes más escolhas e, portanto, ao ter que tomar uma nova decisão, é o medo que agora se instala. E se fizermos tudo de novo?

Poderá ter sido errado no passado, mas teve certamente um efeito; o de nos ensinar algo. Algo que nos tornou diferentes. A cada lição aprendida tornamo-nos mais aptos e mais fortes. Por isso, quem decidiu ontem, já não caminha hoje com as mesmas botas e, mesmo que o Caminho pareça igual, não o é. A pedra já antes levantada com sucesso, não será agora obstáculo, e a poeira já sacudida, atrás ficou.

Ainda que o caminho pareça igual, descobriremos que não é mais do que uma oportunidade de, com as pernas ora mais fortes, desta vez sermos nós a fazer o Caminho e a traçar o trilho.

Ainda assim, sabendo tudo isto, a questão continuará a existir: “O que decidir?”.

Acredito que há uma parte de nós que sabe sempre a resposta: o nosso coração!

Sentir o que ele nos diz abrirá todas as portas certas. Sejam elas apenas duas ou mais, o coração pergunta: “O que te realizaria mais? O que vai de encontro ao que sentes ser a tua missão?”

Nunca nos esqueçamos de focar no que alimenta a nossa alma. Isso levar-nos-á ao caminho certo.

Foi isto que o meu coração disse.

 © Isa Lisboa

key-96233_960_720

Foto: http://www.pixabay.com

O rio

As águas do rio correm violentas. Mas correm para a frente, não posso resistir-lhes. Não quero.

O tempo de estar sentada na margem do rio foi. Mas já não é mais. Há sempre um tempo. Um tempo para cada lugar.

As águas do rio assustam, sei que não as conseguirei controlar, talvez me atirem de uma margem à outra, ao longo do caminho. Talvez me atirem aos seixos do fundo. Mas seguirei. Estou decidida.

Vou chegar, não sei onde, o rio é que sabe. Ao mar, certamente, mas não sei a qual.

Só me interessa que poderei então provar o sal.

© Isa Lisboa

Alexey Zaycev

Imagem: Alexey Zaycev

 

Decisões

“Há uma anedota Zen sobre uma mulher, que não conseguia decidir-se por qual porta deveria sair de certo aposento. Ambas as portas levavam ao mundo exterior. Após algumas horas de indecisão, ela empilhou algumas esteiras diante de uma das saídas e caiu em um sono profundo. De manhã cedo, levantou-se e examinou o mesmo problema novamente. Uma das portas estava livre, mas a outra estava bloqueada por uma pilha de esteiras. Ela suspirou finalmente: “Agora eu não tenho escolha.”

Autor: Não identificado

Parábola dos Lobos Internos

11203116_472631766236557_1129529051360047588_n

Imagem: Autor não identificado

“Um velho índio estava a falar com o seu neto e contava-lhe:

«Sinto-me como se tivesse dois lobos a lutar no meu coração. Um é um lobo irritado, violento e negativo. O outro está cheio de amor e compaixão.»

O neto perguntou:

«Avô, diga-me: qual dois dois ganhará a luta no seu coração?»

O avô respondeu:

«Aquele que eu alimente»”