In the bookshelf , Três homens e um barco

Partilho um dos últimos livros que li. Uma história simples, mas escrita com muito humor inteligente. Com esse humor, lemos um pouco sobre as particularidades e curiosidades do ser humano, nesta “amostra” de 3 amigos. E um cão. Num barco, ao longo do Tamisa.

Isa Lisboa

In the bookshelf – Os 7 hábitos das pessoas altamente eficazes

Um livro interessante para quem está a começar a saber mais sobre o desenvolvimento pessoal. Explora sobretudo uma filosofia de vida, transformada em um método.

Na parte final, são feitas perguntas ao autor. Com humildade, o autor assume que a prática dos hábitos é um exercício diário e que não consegue ter todos os hábitos, todos os dias. É assim que vejo o verdadeiro desenvolvimento pessoal: um exercício diário, um olhar constante sobre nós próprios, os nossos valores e a consistência dos nossos comportamentos. Estamos sempre em construção e em processo de evolução.

Isa Lisboa

In the bookshelf – Fernando Pessoa, o romance

Hoje este Pessoa partilha convosco um romance sobre o “original” Fernando Pessoa.

É um romance biográfico, de Sofia Louro, que nos apresenta uma visão do homem, e de como ele se entrelaça com o poeta e com cada um dos seus heterónimos.

Este livro está na minha estante e é sem dúvida um dos que tenho vontade de reler um dia mais tarde. Ao ler, podia imaginar o poeta e os seus poemas a surgirem. Mas, acima de tudo, podia imaginar o homem comum, envolto em dilemas, medos, sonhos, projetos. Além do génio de Pessoa, este livro fala-nos sobre a sua humanidade.

E vocês, costumam ler biografias ou romances biográficos?

© Isa Lisboa

 

Onde está este Pessoa

Sou fã de Fernando Pessoa e tenho aqui em casa esta versão desse grande poeta.

Ele está na minha estante, a acompanhar alguns dos livros que já partilhei convosco.

Querem conhecer alguns desses livros? Vão passando por cá, e podem ir conhecendo a minha estante 😉

Este Fernando Pessoa foi executado pela @kukla.pt. Passem pela página e vejam os fantásticos trabalhos que têm lá!

Isa Lisboa

Desafios literários

Esta semana descobri dois interessantes desafios literários no Instagram.

A Fnac desafia os leitores a partilhar a sua máscara literária, tal como se lê no site :

“Tal como as máscaras que nos habituamos a usar em contexto de pandemia, há outras máscaras que nos protegem, desta vez contra a falta de conhecimento e imaginação: as máscaras literárias!”

Já a página Constele_se desafia-nos a partilhar fotos da capa de um livro favorito e uma citação de uma página do mesmo.

Fiquei com vontade de participar, mas estava com muito problemas em escolher um livro para responder a estes desafios. Porque para mim é difícil indicar apenas um livro favorito.

Até que me lembrei daquele clássico, que acompanha a minha criança interior e a adulta crescida que já sou também: O Principezinho, de Antoine Saint-Exupery.

É, sem dúvida, uma excelente máscara literária para mim, como podem ver:

20200830_215710

Porquê mo utensílio de jardim a espreitar? Como diz uma personagem do livro:

“Foi o tempo que perdeste com a tua rosa que tornou a tua rosa tão importante!”

Daí que esta máscara literária também vos convide a regarem-se a vocês própri@s todos os dias, com calma e cuidado! 🙂

A não esquecer também, a citação que partilhei no segundo desafio:

IMG_20200829_145543_351

“Duas ou três borboletas terei mesmo que suportar para ficar a conhecer as borboletas.”

Participem nestes desafios, e assim divulguem mais um livro, que pode chegar a alguém que o quer ler!

(C) Isa Lisboa

Quando a capa está F*dida!

Já por duas vezes encontrei nas redes sociais uma crítica que me pareceu curiosa. O post apresentava uma foto com escaparates com os dois livros de Mark Manson: “A arte subtil de dizer que se f*da!” e “Está tudo f*dido”.

Resumindo, o conteúdo da crítica resumia-se às ideias: “Não li o livro” e “Não tenho nada contra asneiras, mas isto era mesmo necessário?”

Das duas vezes achei muito divertida esta leitura pela capa. Apenas li o primeiro dos livros, mas esse é um livro em que são passadas algumas mensagens sobre a vida e o desenvolvimento pessoal. Curiosamente, temas sobre os quais estas chocadas leitoras com a capa muito postam nas redes.

Lembrei-me de o Mark contar na introdução que o questionaram se ele devia mesmo publicar um livro com aquele título. E ele disse: claro que sim! Ao ler este comentário pela segunda vez, pensei: “Mark, tu sabia-la toda!”

Também me lembrei do nosso conterrâneo Miguel Esteves Cardoso e do seu “O amor é f*dido!”. Li esse livro há muitos anos, quando andava no secundário ou na faculdade;não sei precisar. Vá lá, não haja quem fique chocado por eu ter lido esse livro tão nova. Na verdade ainda não sabia o que era o amor, mas já intuía que era f*dido!

Mas se as personagens do Miguel acabam por demonstrar que o amor é realmente f*dido – pelo menos para eles, que passaram a vida um bocado f*didos – o mesmo não se passa no livro do Mark.

True, que ele às vezes diz “Que se f*da!”. Mas para demonstrar que por vezes é preciso virar a mesa, dizer não. Mas que também não podemos apenas dizer “Que se f*da!” a tudo na vida. Senão, onde fica aquela responsabilidade? Pois, às vezes queremos evitá-la. E é confortável. Mas, se o fizermos sempre, aí não é só a capa que fica f*dida, é a p*rra da vida toda. E podes botar a culpa em “tódo’o mundo”, na família, nos professores, nas instituições – no que tu quiseres. Mas a verdade é que ninguém é melhor do que tu a f*der a tua vida.

So… faz-te à vida e unfuck yourself!

Ai, ai, que cometi o erro gramatical de misturar calão, inglês e ainda calão em inglês! Olha, apeteceu-me!

E que se f*da a capa, e que se f*dam os palavrões, e que se f*da o que não se pode dizer. Que se f*da tudo o que se f*deu durante a vida. O que importa é apanhar os cacos e continuar. Reerguer.

Que se f*da a pedra no sapato, quem o quiser dizer. Mas eu cá, vou tirá-la, arrancá-la e continuar. É para a frente que quero ir, e a olhar para a pedra no sapato…. Não chego a lado nenhum.

E a vida, em algum ponto do caminho, há-de voltar a ficar lixada com F grande. But…that’s life. Se estavas à espera que te servissem a vida numa bandeja de prata, estás… já sabes: enganad@.

Pois é, o amor é f*dido, a vida é f*dida, mas… também é tudo muito bom, e, já que aterrámos por cá… ‘Bora lá viver e deixar as capas. Se não, a vida tem um bocadinho menos de piada!

© Isa Lisboa

In the bookshelf – Alimentação, Mitos e Factos, de Isabel do Carmo

15977416105766866863340350910093

Li sobre este livro num artigo e fiquei com muita curiosidade. Neste momento em que a informação flui mais fácil é rapidamente, são muitas as opções de estilo de alimentação saudável que encontramos, todas defendidas mais ou menos ferozmente por quem as pratica.

Este livro oferece uma análise dessas opções, do ponto de vista científico. Fala do que a ciência já percebeu e do que ainda está a procurar descobrir, ao nível da alimentação. Dá – nos uma perspectiva histórica de porquê comemos o que comemos. É também uma visão de como a indústria agro-alimentar tem influenciado as nossas opções alimentares.

Li o livro numa perspectiva de questionar as minhas próprias ideias sobre a alimentação e sobre alguns dos regimes alimentares em voga actualmente. Pela forma objectiva como os temas são apresentados, foi um livro que me permitiu essa reflexão e que me ajudou a cimentar muitas ideias. Recomendo-o a quem se interessar por estes temas e quiser “arriscar-se” a ter algumas das suas ideias desafiadas! 😉

(C) Isa Lisboa

Bookshelf – meu gato, meu guru

IMG_20190816_122339

Quem tem ou já teve gatos, vai identificar-se com cada um dos conselhos deste livro. Vocês, como eu, sabem que os gatos são grandes mestres, não é?

Quem nunca partilhou a casa com um gato, pode retirar também conselhos sábios deste livro. E, quem sabe, ficar com vontade de adoptar um gato! 

© Isa Lisboa

 

Para quem ficar com vontade de adoptar um gato, deixo o link para algumas instituições que cuidam de gatos abandonados e onde podem encontrar um animal.

Abrigo do gato

União Zoofila

Gatos da vila