Vendedor de sonhos

Imagem: http://www.pixabay.com

Era um vendedor de sonhos. Tinha um pregão chamativo. Dispunha-os de forma inteligente na sua bancada, de forma a que os maiores ficassem em destaque e chamassem também a atenção dos potenciais clientes.
Alugara aquele espaço, sem saber ainda bem o que queria vender. Queria vender algo que as pessoas precisassem, mas não só. Queria vender algo que as pessoas quisessem.
Matutou, matutou, e viu o quanto os sonhos andavam na mó de baixo, ultimamente.
As pessoas contentavam-se com o que era normal, habitual, banal.
Era um risco, sabia. Oferecer algo diferente tanto podia ser um grande êxito, como um gigantesco flop.
Mas ser vendedor de sonhos era profissão que lhe assentava como uma luva.
Dedicou-se a escolher a melhor matéria-prima e a estudar a melhor forma de os moldar, de maneira a que fossem especiais. Cada um saía diferente, como devia ser, para que cada cliente pudesse comprar o seu próprio sonho, adaptado ao gosto de cada um.
Distribuiu flyers por vários locais e, no dia marcado, inaugurou a sua banca de sonhos.
O efeito surpresa resultou, vieram muitos curiosos e, naturalmente, outros tantos cépticos. Nem todos compraram, mas o primeiro dia encerrou com saldo positivo.
A curiosidade passou palavra e outros curiosos foram passando e comprando. Negócio de vento em popa, era agora, oficialmente um vendedor de sonhos.
Sentia-se feliz de cada vez que via a bancada a esvaziar. Mais feliz quando, por acaso, se cruzava com alguém na rua, que, feliz, lhe vinha dizer como gostava dos sonhos que vendia.
Alguns clientes eram mais exigentes. Ao chegar, não encontravam exposto aquilo que procuravam. Deixavam encomendados os seus requisitos, aquilo que queriam de especial.
Isto constituía um desafio para o vendedor, que também era um fazedor.
Alguns sonhos podiam demorar semanas a aperfeiçoar. Desde descobrir tudo o que era preciso, até encontrar as quantidades certas e o ponto ideal de os misturar. O nosso vendedor sentia-se um artesão. E, na verdade, era arte o que saía das suas mãos.
Por vezes sentia uma ponta de nostalgia quando vendia um novo tipo de sonho… Afinal era uma criação sua e seria outra pessoa a usufruir dela…
Mas algo maior se sobrepunha, como se não estivesse apenas a vender, mas também a construir.
No entanto, quando recebeu a sua primeira reclamação, apercebeu-se de que as pessoas se esqueciam rapidamente da única instrução que dava quando vendia um sonho:
“Alimentar diariamente!”

© Isa Lisboa

Vem aí um Ano Novo

A meia noite não trará, magicamente, um novo ano em que tudo mudará de um segundo para o outro. As resoluções de ano novo não vão cumprir-se só porque comemos uma passa a acompanhá-las.

Tal como nos outros anos, as mudanças que procuramos vão precisar de tempo e, sobretudo, de acção da nossa parte.

Mas o momento em que o ano passa continua a ser um símbolo.

Desejo que não seja um simbolo de “vamos esquecer o ano que passou”. Mas que seja um simbolo de aprendizagem com os momentos difíceis. E que nos lembre das pessoas e de tudo mais que de bom o ano anterior nos trouxe e nos mostrou.

Feliz Ano Novo a todos!

O lado negro….

Ultimamente, quando vou caminhar, encontro demasiadas vezes este cenário.

Longe estão os meses em que as redes sociais exultavam porque o planeta estava a descansar e era agora que íamos respeita-lo mais.

Afinal, só encontramos novas formas de o poluir. A adicionar a possibilidade de estarmos ainda a trazer risco biológico para a via pública.

As máscaras podem, e devem, ser colocadas no caixote do lixo.

Se queremos que o planeta realmente descanse!

Isa Lisboa

Amanhã

Amanhã vai ser como uma manhã de Abril. Vou renascer. Vou abrir os olhos e inspirar, tal como se fosse a primeira vez. Com curiosidade e com vontade de agarrar tudo aquilo que de novo se me apresenta.
Enquanto o mundo renasce, também eu vou reinventar-me.
Não, talvez o mundo não renasça amanhã, não é mesmo Abril; é quase Inverno. É suposto a vida dormir e não renascer…
Mas o mundo é cheio de surpresas. Segue os seus ciclos, mas ainda assim surpreende-nos.
Não obstante, amanhã é o meu dia. Não sei se estou preparada. Até acho quer não. Tenho borboletas no estômago. Devem ser pássaros, que as asas batem forte. É a antecipação. A antecipação que comprova que amanhã é dia.
Podia encolher-me num canto ou fugir para longe. Parte de mim, quer fazê-lo. Continuar assim. É confortável. Seguro.
Mas a outra parte de mim sabe que não dá. Não dá para virar a cara, todo o meu corpo quer avançar, todo o meu corpo quer que seja amanhã. Não sei o que me traz amanhã. Mas sei que é novo e que o preciso.
Talvez os sons, as cores, os cheiros pareçam demasiado a início e me assustem.
Mas depois vão tornar-se descobertas. E eu gosto de descobrir. Pegar, tocar, cheirar, ouvir, saborear.
Está na hora de voltar a descer para o mundo. As convulsões já as sinto. É a vida a avisar-me que vou renascer.
Amanhã vai ser como uma manhã de Abril.
 

© Isa Lisboa

Conto sem nome

Uma cara de idade indefinida saudou-me. Os seus olhos pareciam indolentes pela inexpressividade. Uma ruga despontava na testa, levando a supor ser um homem de meia idade. Pálpebras encovadas, mas de cansaço, pareceu-me. Sim, eram olheiras de uma noite mal dormida. Ou talvez de uma vida mal dormida, ocorreu-me. A cabeleira farta caía sobre a testa, também ela lhe parecendo exausta, assim, ali. Reparando nesses cabelos desavindos, puxou-os para o lado. Preguiçosos, não queriam ir. À segunda tentativa, desistiu de se ajeitar. Parecia que tanto fazia.
Estranhei esta atitude. Andava a antecipar este encontro já há alguns dias. Esperava um homem enérgico, talvez com algum distanciamento, mas não com esta indiferença. À sua maneira, construíra um pequeno império. O seu nome era conhecido por toda a cidade. As empresas em que participava e fizera crescer, eram mais do que se imaginava. Um polvo no mundo empresarial daquela cidade do interior.
Normalmente discreto, não gostava de dar entrevistas. Fora uma surpresa enorme quando o chefe lhe entregara aquele trabalho.
“Foi o Presidente da Câmara que me convenceu. Ele acha que esta entrevista será boa para divulgar a cidade.” – Disse o empresário, como que respondendo-lhe. – “Não tenho jeito para isto, só sou bom com números!”
Fazendo uma pausa, acrescentou: “E também não tenho muito tempo!”
Ali estava, afinal, o feitio pelo qual era conhecido.
Endireitei-me e respondi: “Claro, não lhe tomo muito tempo!”
Agarrei-me ao meu bloco de notas e sentei-me na cadeira que me indicou.
“Em primeiro lugar, agradecemos muito a sua disponibilidade para esta entrevista.”
Levantou-me o sobrolho e tamborilou os dedos no tampo da mesa.
“Certo” – pensei eu – “Vamos direto ao assunto!”
Fui percorrendo cada uma das perguntas que tinha preparado e tirei notas com a mesma precisão clínica com que me eram respondidas.
Cheguei àquela parte do meu bloco de notas marcada com um ponto de interrogação. Enquanto preparava a entrevista, fiquei com dúvidas sobre se devia fazer aquelas perguntas. E agora tinha ainda mais.
“É tudo?” – Cortou.
Engoli em seco, respirei fundo e pus o meu melhor sorriso. “Só mais duas perguntinhas.”
Ficou calado, aguardando.
“Gostaria de saber o que o levou a escolher o curso de gestão quando foi para a faculdade. Esperava nessa altura construir tudo o que construiu?”
De novo o sobrolho levantado. De novo, o meu melhor sorriso, a tentar ser encorajadora.
“Era um curso com boas saídas, e era um trabalho digno, foi uma escolha óbvia. Claro que na altura não imaginava ainda onde podia chegar, mas imaginei que podia fazer muitas coisas. E parece ter sido um bom investimento, de facto.”
Esta resposta quase respondia à minha última pergunta. Mesmo assim, arrisquei:
“E qual era o seu sonho de criança? Ser bombeiro, piloto de aviões?”
A sua expressão ficou parada e o meu coração também parou, com a possibilidade de ter estragado a entrevista naquele momento.
Olhou para o lado, respirou fundo.
“Nessa altura, eu queria ser pintor. Gostava muito de desenhar o que via. E dar até formas diferentes à realidade. Cheguei a pintar algumas telas!”
“E essas telas ainda existem?” – Arrisquei de novo.
“Talvez, no sótão dos meus pais!”
“E porque parou? Talvez pudesse ter mantido essa paixão como hobby…”
“Porque a paixão não cabe na realidade. Não se mede. Não vale a pena inventar, no final das contas, o que podemos descrever vale sempre mais!”
Pareceu ir até outro mundo enquanto dizia estas palavras, mas voltou a si. Olhou para o relógio e perguntou: “Creio que já terminámos as suas duas perguntas!”
Vi que tinha perdido o momento e acenei. Agradeci mais uma vez a entrevista e preparei-me para ir embora.
Fez-me sinal para esperar. “Estas duas últimas perguntas não farão parte da entrevista! Off the record, é como dizem?”
“Claro, se assim o deseja.”
Ia insistir, mas a sua expressão retornara à do início da entrevista.
Parecia que, por um momento, tinha voltado a ser menino. Mas o adulto voltara. Voltara o adulto cansado. Cansado de uma vida inteira.
Agora tenho a certeza que era isso.

 

© Isa Lisboa

 

Foto: pixabay.com