Frase da semana – Caminhos

writing-146913_960_720

“Qualquer caminho te leva a ti…se persistires em usá-lo para tal.”
 
Pedro Tornaghi
Anúncios

Fronteiras das emoções

 

Art pics Christos Lamprianidis

Foto: Christos Lamprianidis, via Art_Pics (Facebook)

 

Encontrei-me, perdendo-me. E também me perdi, encontrando-me. As fronteiras das nossas emoções não se demarcam a caneta. Tão pouco a lápis as conseguimos muitas vezes desenhar.

Nunca saberemos o que é o amor, até que o nosso coração se abra, sabendo que tanto a dor como a felicidade podem entrar.

E nunca saberemos o que é a felicidade, se não estivermos dispostos a sentir a dor. A dor também nos ensina a vida; e apaziguá-la ensina-nos a contactar com a nossa humanidade.

Somos paradoxos. Frágeis nas nossas fortalezas auto erguidas. Fortes, nas nossas fragilidades olhadas nos olhos.

Encontrei-me, olhando-me. Desviando os olhos, dou um passo para me perder.

Só fazendo um mapa poderei apagar as falas fronteiras. E o Caminho far-se-á um passo após o outro, nas pontes entre mim.

© Isa Lisboa

Agora

“O Paraíso é onde estou.”

Voltaire

 

grass-2246134__340

Voltaire, nesta pequena frase, fala-nos sobre o momento mais importante das nossas vidas. Aquele que nunca mais vai repetir-se, que não teremos oportunidade de voltar a viver. E esse momento é este. Agora. Neste instante. Agora.
Em teoria, parece simples. Viver o momento. Carpe Diem!
Mas a verdade é que os vários instantes da nossa vida são povoados por todas as recordações do passado e por todas as expectativas em relação ao futuro.

Como seres cada vez mais rápidos e cada vez mais envolvidos numa sociedade instantânea, temos naturalmente dificuldades em nos desligarmos do que foi e do que será. E temos tendência a deixar que ambos nos envolvam em excesso. Excesso de passado e excesso de futuro. E, nesse frenesim, muitas vezes não apreciamos o momento. Um sorriso que nos dão. Ou um que podíamos oferecer.

Desligamo-nos deste momento, pensando no que aconteceu, como poderia ter acontecido e o que poderíamos ter feito diferente.

E depositamos as nossas esperanças de felicidade naquele futuro, em que tudo será risonho e exactamente como nós queremos.

Mas a verdade é que não conseguimos controlar o futuro, assim como não podemos fugir do passado. Temos que semear o primeiro e aceitar e libertar o segundo.

E, no meio destes tempos, viver o que se nos oferece: o Hoje. Talvez seja bom ou talvez seja mau. Mas é o que realmente temos. Por isso, vivamo-lo.

Afinal, é para viver que estamos cá. É para viver que estamos cá hoje.

© Isa Lisboa

E se Deus fosse um de nós

“E se Deus fosse um de nós, apenas um estranho no autocarro, a tentar chegar a casa?”

Esta é uma das perguntas que uma conhecida música de Allanis Morisette nos faz.
Sempre me fez pensar, esta música. E se, de facto, assim for? Bom, na realidade, eu acredito que assim é.
Percepciono a presença de Deus no vento que aqui passa e na água que corre ao lado. No calor do sol e nas árvores frondosas que agora me protegem dele. Acredito que a presença de Deus está à nossa volta, em todas as manifestações vivas e inanimadas que nos rodeiam a cada passo que damos. Quando respiramos, quando pegamos numa pedra, quando caminhamos com os pés descalços na terra… Se o fizermos com os olhos do espírito abertos, poderemos sentir a Força que a tudo liga, a Roda que tudo movimenta, a Sabedoria que tudo construiu.
E se em tudo existe Deus, porque não pode existir no estranho que se senta à minha frente? Como uma pequena centelha separada e unida algo maior que si próprio.
Somos uma espécie ávida por criar, construir, ser. Mas ainda assim, assusta-nos pensar que o poder da nossa própria vida esteja ao nosso alcance e que possamos estar mais perto de Deus do que as visões do Céu nos permitem.
“E se Deus fosse um de nós, chamá-lo-ias pelo nome?” – pergunta também Alanis?
E se Deus fosses também tu, chamar-te-ias pelo nome?

© Isa Lisboa

 

7962c5310eca3a5d030b98f3af917954 (Pintrest)

Foto: Pintrest

 

Eu, pecadora, me confesso

Vou partilhar uma história que ouvi há algum tempo.

Uma mulher estava no meio de uma multidão em círculo. Estava ajoelhada, chorava e pedia piedade. Pedia piedade aos homens que a rodeavam com pedras na mão.

Entretanto, um homem atravessa a multidão, ajoelha-se ao lado dela e ajuda-a a levantar-se. A seguir diz algumas palavras, finalizando com a poderosa frase: “Aquele que de entre vós nunca pecou, que atire a primeira pedra.”

Esta é uma passagem da bíblia amplamente (re)conhecida tanto por cristãos como por não cristãos.

A bíblia descreve que, nesse momento, um por um, os homens começaram a largar as pedras ao chão. Maria Madalena e Jesus ficaram sozinhos, todos os “juízes” se afastaram.

Esta é a história original.

Na história que me contaram, Jesus puxa Maria Madalena por um braço e diz-lhe: “Fujamos daqui, pois somos os únicos pecadores.”

Nesta história, Jesus e Maria Madalena viveriam na era actual.

Ouvi esta história há alguns anos já, mas lembro-me dela muitas vezes, sempre que vejo alguém a pegar numa pedra, resoluto.

Com o aumento da velocidade da comunicação, novas formas de atirar pedras apareceram. Tenho observado algumas nos títulos das notícias do Facebook.

Parece-me que o fenómeno é o que se terá observado na moderna história de Jesus e Maria Madalena. Acredito que, na história original, algum dos homens teve a coragem de assumir os seus pecados para si mesmo. E esse homem foi o primeiro a largar a sua pedra. Outros o seguiram. Hoje em dia, vê-se alguém que atira a primeira pedra, seguindo-se a saraivada de pedras. Muitas vezes, alguém atira uma pedra da barricada contrária e as pedras antes atiradas são reaproveitadas para o novo inimigo.

Quando reaprenderemos a voltar a entender as palavras ditas por Jesus?

“Quem, de entre vós, que nunca pecou, que atire a primeira pedra.”

© Isa Lisboa

Apontar o dedo

Imagem: Autor não identificado

Labirinto

À entrada do labirinto, nunca sabemos bem o que nos espera. Apenas sabemos que nada será como é cá fora.

Vemos a porta de entrada à nossa frente, foi-nos dito que devemos atravessar um caminho desconhecido que, no final, levará a uma outra porta, a de saída. Não temos mapa, não sabemos se teremos indicações ao longo do caminho, se teremos luz no percurso ou se devemos tactear a parede.

E então algo em nós evoca a lenda do Minotauro, a criatura de pele de breu, chifres ameaçadores e olhos ensanguentados pelas vítimas do labirinto que habitava. O labirinto que era a sua prisão.

Mas e se o Minotauro formos nós mesmos? Uma parte de nós que está presa ao labirinto e que, por não conseguir sair, está condenado a não permitir que mais ninguém atravesse o labirinto, que mais ninguém encontre a porta de saída. Uma criatura surgida de humano e de besta, para desencorajar os aventureiros que querem saber mais, viver mais, sentir mais. Talvez o sacrifício que o Minotauro exigia, fosse que os humanos abdicassem dos seus sonhos, deixando-os devorar-se pela mitológica criatura. Devorados por aquela criatura cuja fome não se aplacava. E seremos nós Teseu? Poderemos ser. Podemos encontrar o centro do labirinto e matar o medo. E, agarrados ao fio invisível que nos prende uns aos outros e a tudo o que existe, voltaremos então à vida que queremos viver.

© Isa Lisboa

church_tower_stairs_276976_h