Mais fácil dizer que (não)pensar

Photo by Anna Tarazevich on Pexels.com
Há pessoas excessivas. Algumas excedem-se no vestir, outras nos prazeres, outras no drama, ou no pouco drama.
E há quem tenha excesso de pensamento. Usando um anglicismo, pessoas que se embrenham no overthinking.
Como outros excessos, o overthinking traz consigo uma boa sensação a início. Alimenta o cérebro complexo, cheio de perguntas, e cheio de cenários. E cheio de coisas que quer entender.
Enquanto alimenta no sentido de nutrir, tudo está bem. Descobrem-se coisas novas, tomam-se decisões ponderadas, seguras.
O problema é o “over”. Como em tudo.
Quando os pensamentos são tantos que o cérebro fica exausto. Quando os cenários que se apresentam são tão diversos, que não consegues tomar uma decisão. Quando vês tanto caminhos, que não consegues mover-te por nenhum.
Como sair desse ciclo? Abrandar, focar, relaxar.
Sem nenhuma ordem pré-definida, porque umas alimentam as outras.
É preciso começares a estar atent@ aos teus pensamentos, começares a perceber quando eles começam a correr como loucos pelo teu cérebro. E a pouco e pouco, reduzires a velocidade. Ao teu ritmo. Escolhe o teu método, o que mais te ajuda. Meditação, respiração consciente, uma caminhada, uma corrida, ouvir música. Abranda. Começa a abrandar.
Ficas ansios@ porque achas que não é suficiente. Mas é. Relaxa um pouco. Respira. Hoje é suficiente. Talvez amanhã consigas mais. Respira. Relaxa os ombros, o pescoço.
Volta a atenção para algo de bom. A maneira como o sol te aquece, ou a maneira como como o vento refresca a tua pele. Os pensamentos vão continuar a vir. Procura os melhores. Volta a tua atenção para esses. Foca-te.
Não te digo que ignores os maus pensamentos. Entende o que eles te dizem, mas não te deixes enrolar neles. Não deixes que te estendam uma armadilha e não te deixem sair.
Escolhe os teus pensamentos, escolhe a tua ementa mental. Não deixes que os teus pensamentos se imponham a ti e que sejam eles a decidir como te sentes, o que consegues fazer e o que não consegues.
Talvez sejas sempre excessiv@. Mas equilibra-te. Sê excessiv@ de uma forma que seja boa para ti. Que te dê energia. Que te dê força. Impulso.
Encontra a direcção do teu excesso. Usa-o a teu favor. Escolhe.

© Isa Lisboa

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s