TEDx ULisboa – Insights sobre e com a palestra de Joaquim Gaspar

59596517_2917296598295644_4457076545915191296_n

Palestra de Joaquim Gaspar, TEDx ULisboa

“É importante manter a mente aberta, mas não de forma a que o cérebro verta para fora.”

Carl Sagan

Esta foi uma palestra de cariz científico, em que aprendi algo novo sobre cartografia e sobre a visão da Terra na época dos Descobrimentos. Concluí-se que já em 1.500 se sabia que a Terra era redonda.

Embora não tenha sido o foco da palestra, a frase que transcrevo acima foi a que chamou mais a minha atenção.

Tenho crenças que vão além do visível e que está (até hoje), provado cientificamente.

Ao longo da história, a ciência tem explicado fenómenos divinos. Mas, para mim, isso não lhes retira a natureza divina. No sentido de que a Natureza, o Universo e toda a “cola” que mantém tudo a funcionar em sintonia, tudo isso é para mim uma manifestação do divino.

A fé em algo maior faz parte da minha vida. Tenho uma mente aberta.

Mas, quando todas as evidências mostram que a terra é uma esfera redonda, ainda há quem defenda que ela é plana.

Conheço pessoas que se fecham a ideias, porque não as conseguem explicar de forma lógica. Mas também conheço quem se feche a ideias novas apenas porque são lógicas e não estão de acordo com a sua visão do mundo.

A meu ver, ambas perdem com isso. Perdemos todos, de facto. Só temos a ganhar com a troca de ideias.

© Isa Lisboa

TEDx ULisboa – Insights sobre e com a palestra de Marco Rodrigues

A história de Marco Rodrigues é uma história de superação.

Devido a uma doença, ainda adolescente ouviu que iria passar o resto da sua vida numa cadeira de rodas.

Não se conformando com esse diagnóstico, Marco procurou alternativas. Depois de usar um aparelho ortopédico que o mantinha fora da cadeira de rodas, mas com dores, Marco procurou ir mais além. E com a ajuda de um profissional que o ajudou a ganhar força muscular, Marco consegue hoje andar sem o aparelho.

Para além da sua força de vontade, retive também um pensamento profundo que este jovem teve. Ele, a certa altura, sentiu que queria sair daquele corpo. Aquele corpo que lhe causava dores.

E então “perguntei-me o que era aquela voz que me dizia «Eu quero sair deste corpo»”. Com este pensamento profundo, Marco pediu a todos que procurem sempre a sua essência.

Também eu acredito que essa voz que ouvimos não são apenas pensamentos.

Quer lhe chamemos essência, consciência, alma, ou outro nome, somos mais que um corpo.

© Isa Lisboa

59704845_2917343591624278_7555180574147608576_n

Marco Rodrigues, TEDx ULisboa

TEDx ULisboa – Insights sobre e com a palestra de P3dra

O TEDx ULisboa abriu com uma intervenção performativa protagonizada pelo artista P3dra.

Mas para além da música, ele também partilhou connosco alguns pensamentos de que gostei muito e que gostaria de aqui destacar.

Ele começa por dizer algo parecido com isto: “A minha vida é um conjunto de equívocos que acabaram por fazer sentido.”

Achei curioso começar o dia a ouvir esta ideia porque ainda no dia anterior falara com uma amiga que me lembrara disto: o que em certa altura percepcionei como erro, não o é necessariamente.

A um nível espiritual, ou metafísico, como queiram, quer isto dizer que nada acontece por acaso.

E uma escolha ou decisão que parece ter dado errado, mostra o seu sentido mais à frente. Ou nos levou a algo melhor ou nos ensinou algo, sobre nós, sobre a vida.

Esta ideia é algo que comprovo em mim mesma, olhando para trás, ligando os pontos e as peças do puzzle.

Também é um fio que já me ajudou a ultrapassar tempos difíceis. Em momentos em que era tentador ceder a uma espécie de revolta para com as partidas do mundo. Lembrar-me de que haverá uma razão para o que está a acontecer, ajuda a lidar com as emoções negativas e a ajuda a ultrapassar o momento. Tanto no bom, como no mau. E disso, também é importante lembrarmo-nos. O bom também passa.

Outra das ideias que retive desta palestra foi a da meta. Ele deu o exemplo de quando fazemos uma caminhada. Ninguém nos deseja boa chegada, mas sim, bom caminho. E é por isso que o P3dra diz que “o que importa não é a meta, mas sim o caminho.”

Também esta ideia falou muito comigo, porque, por natureza, tenho sempre alguma meta a bailar-me na mente. E quando me esqueço deste pensamento simples, de que o que importa é o caminho, então aí começa a bater-me à porta a ansiedade. E a ansiedade é uma grande inimiga da meta.

É bom atingir um objetivo, cortar a meta. Mas percorrer o caminho para chegar lá, é o que – se virmos bem – é isso que possibilita esse momento de extrema felicidade.

Se dessemos apenas um passo e já estivéssemos na meta, certamente que o entusiasmo não seria muito, não concordam?

Por isso apreciemos o caminho, ainda que não tirando os olhos do objetivo, que é chegar.

E ao chegar, outro caminho se abrirá.

© Isa Lisboa

Deixo-vos um vídeo do artista, se quiserem conhecê-lo melhor:

Qual a velocidade do teu piloto automático?

Lembro-me de ter visto no Facebook um post cómico, com uma imagem que dizia algo como “Amanhã, das 10h às 12h, estarei a vender limonada, à porta da minha casa. Preço: 1€ por copo.” Seguiam-se comentários como: “Quando?”, “Onde?”, “A que horas?”, “Qual é o preço?”.

Este era um post cómico, mas que é, na verdade, bastante real. Vejo muitas vezes este fenómeno, de ver, ler e ouvir em cruz, sem realmente absorver a mensagem, sem se dar tempo de a entender.

Nas redes sociais, já o vi várias vezes em páginas e grupos. Já me aconteceu ter comentários na minha página em que percebi que apenas a primeira frase tinha sido lida e, por isso, a mensagem do texto havia ficado perdida no éter social.

Mas se as redes sociais nem sempre espelham a vida, também podem ser um micro-cosmos dela.

Parece-me ser este um dos casos. Viver em piloto automático é tentador. A sociedade actual incentiva-o. Precisas fazer, e fazer instantaneamente.

Temos muitas opções de fast food, mas assim como podemos escolher o alimento para o corpo, também podemos escolher o alimento para a mente e para o espírito.

Pergunta-te a ti mesmo(a): queres alimentar a mente e o espírito com comida pré-cozinhada e pronta para o micro-ondas? Ou preferes uma refeição acabada de fazer, ainda que te dê mais trabalho?

Em função da tua resposta, escolhe a velocidade do teu piloto automático.

© Isa Lisboa

Consumir(-te) antes do prazo de validade

hourglass-1703330__340

A nossa sociedade gosta de colocar prazos de validade. E não falo dos iogurtes, dos sumos, dos enlatados e dos congelados.

A nossa sociedade gosta de colocar prazos de validade às pessoas. A mim, A ti.

Tens que fazer isto até aos 20, aquilo até aos 30, ai de ti que passes dos 40 para aquela outra coisa, aos 50 não podes mesmo fazer isso, aos 60, faz muito pouco e, a partir daí, cuidado, cuidadinho, que a idade pesa-te e a tua já é para teres juízo.

Se sais dessa linha, és tola. Se decides, aos 40, mudar de vida, és doida; se aos 60 ressuscitas um sonho, és mesmo doida.

Se, em qualquer idade, fazes algo que “já não é para a tua idade”, és ridícula. És ridícula porque isso não é para a tua idade. És ridícula, porque já passaste a validade e ainda assim, insistes.

Insistes em viver, em seres tu, em procurares o que te faz feliz. Insistes em não te acomodares. Em não te acostumares com o que não queres. Insistes. Passas o prazo da validade. Passas o prazo da validade da sociedade.

Usas roupas ridículas, unhas ridículas, cabelo ridículo, tens um riso que incomoda tanta gente. Seres feliz incomoda muita gente. Teres as tuas próprias opiniões incomoda tanta gente.

Mas tantas pessoas incomodadas com o teu prazo de validade, outras tantas sorriem contigo. Outras tantas ficam felizes por verem os outros felizes. Mesmo que tenham um prazo de validade diferente do seu.

Saboreio a vida sem olhar para o prazo de validade que alguém me impôs. Porque se eu me restringir a esse prazo de validade, acabo por me consumir, dia por dia. E ao fim de um tempo, não serei eu quem perderá o meu prazo de validade. Será a vida. Será a minha vida que perdeu o prazo de validade, e eu nem terei dado por isso!

© Isa Lisboa

 

Imagens: http://www.pixabay.com

Desafio dos 10 anos

51030679_2143627595697233_9176903574498574336_n

Circula nas redes sociais o desafio dos 10 anos – 10 year challenge – que desafia a que se publique uma foto actual, comparando com uma de há 10 anos atrás.

Isso fez-me pensar sobre o que andava eu a fazer há 10 anos atrás.

Fui realmente procurar fotografias e chamou-me a atenção uma, tirada numa “road trip” pela Irlanda, em que examinava um mapa de estradas.

Além dessa, ainda fiz outras viagens nos últimos 10 anos. Conheci mais lugares. Conheci pessoas. Fui loira, ruiva e até morena durante uns meses. Li muitos livros. Escrevi e editei o meu primeiro livro. Aprendi muitas coisas novas, especialmente sobre mim mesma. E comecei a partilhar o que aprendi. E a aprender mais, desta forma.

Nos últimos 10 anos, ri e chorei. Caí, esfolei os joelhos e cresci com isso. Enfrentei a dor, senti o seu sabor amargo, mas não deixei que ela se entranhasse em mim. Vivi coisas grandes, mas aprendi a enormidade das pequenas coisas. Conheci o sucesso, mas também a derrota e percebi que tantas vezes eles se confundem um com o outro.

Nos últimos 10 anos, permiti-me ser criança mais vezes e com isso percebi que cresci.

Também fui mais vezes adulta, além de pagar as contas; na parte de manter contas certas com a vida.

Nos últimos 10 anos, cresci, amadureci e sou mais Eu. Sem dúvida!

© Isa Lisboa

Quem ganhou a discussão?

Há algum tempo, numa loja, presenciei uma discussão entre mãe e filha. Estava na caixa e no balcão elas tinham dois vasos de flores. Quando a funcionária da loja passou o código de barras, aperceberam-se de que o preço das plantas era diferente. De imediato, a mulher mais nova reclamou. A funcionária da loja explicou que uma das plantas era, efectivamente mais cara, e que até poderiam confirmar, pois as plantas estavam expostas na caixa ao lado.

“Então não levamos!” – respondeu logo a primeira. Mas a mãe reagiu de imediato, pegando logo no vaso e dizendo “Não, não, mas eu quero levar esta planta, porque gosto dela.”

A discussão teve mais algumas trocas de palavras, em que a filha opinava que era uma estupidez levar uma planta tão cara, e a mãe opinava que ia levar na mesma.

Fiquei um pouco a observar esta troca de palavras e a pensar o quanto aquela discussão não tinha nada a ver com a planta propriamente dita.

Pareceu-me antes ser uma disfarçada luta de poder, uma luta para ter razão e impor a sua própria opinião.

Talvez a mãe não gostasse assim tanto da planta e noutras circunstâncias não a levasse. Talvez a filha não achasse o preço assim tão elevado e noutras circunstâncias até a comprasse para a mãe.

Talvez. Não posso saber. Mas o que acredito é que, naquele momento, o Orgulho foi quem ganhou a discussão.

© Isa Lisboa

pair-707506__340

O ciclo do grito

O ciclo do grito é algo de que ouvi falar numa série de comédia – “How I met your mother”.

Revi este episódio específico há pouco tempo e tive vontade de escrever sobre este fenómeno que já observei na vida real.

Diz-se que a ficção imita a vida real. Neste caso, em que o meio usado é a comédia, a mensagem, a meu ver, passa de forma mais eficaz… Mas desvio-me do assunto.

Neste episódio, umas das personagens lida, ou tenta lidar sem sucesso, com a prepotência do seu chefe que constantemente grita com ele. Outra das personagens, o seu amigo Barney, fala-lhe do ciclo do grito. Diz-lhe que quando uma pessoa grita com outra, a segunda pessoa deverá depois ir gritar com outra, como forma de se libertar da frustração e assim por diante.

E durante a maior parte do episódio, Barney tenta convencer o amigo Marshal a fazer parte desse ciclo do grito, o que o amigo não queria fazer. Quando o tenta – sendo uma comédia – os resultados são o oposto do esperado. Porque a pessoa com ele gritou, um empregado de restaurante onde jantam, já cansado de tantos clientes mal-humorados e prepotentes, grita com ele.

Na primeira vez em que vi este episódio, pensei em duas coisas: uma que o ciclo do grito é bem real, que muitas pessoas entram neste ciclo, de forma consciente ou inconsciente.

Ouvem gritos do patrão, engolem a injustiça. Ou ouvem gritos de uma pessoa próxima e preferem não levantar ondas. Mas depois ao chegarem a casa, gritam com a família, ou então chegam ao trabalho e descarregam em quem podem.

A outra coisa em que pensei é se o ciclo será sempre um círculo fechado ou se, como naquele episódio, há sempre alguém que escolhe não perpetuar este ciclo vicioso. Não gritando, mas também recebendo toda a frustração e raiva acumulada de quem gritou antes com a pessoa que gritou. E antes, e antes, e antes…

Bom, na verdade, pensei em três coisas. Também pensei que já me senti como o Marshal, a personagem que não queria fazer parte do ciclo do grito. Sabendo que não queria entrar nesse ciclo, mas, ao mesmo tempo, sem saber bem como lidar com os gritos.

E agora, na segunda vez que vi este episódio, percebi que como foi que, a pouco e pouco, fui fazendo essa aprendizagem.

Eu não queria gritar porque não queria dar a alguém algo que eu não gostava e que eu sentia que não fazia bem a ninguém. Mas, por outro lado, estava a aceitar que outras pessoas me dessem os seus gritos. E estava a aceitar parte do que esses gritos me diziam.

Foi por aí que comecei. A não aceitar, ou melhor, a declinar, as sensações que esses gritos meu causavam. A não deixar entrar na minha mente as coisas negativas que os gritos diziam sobre mim. A reconhecer o quanto daqueles gritos NÃO eram eu.

Ao responder, comecei a deixar de levantar a voz para me fazer ouvir. Passei antes a aumentar a segurança na voz ao defender-me. Ao dizer a minha verdade.

E, a pouco e pouco, percebi que isso era mais forte. E que diminuía os gritos à minha volta, porque diminuía o eco que os gritos faziam na minha mente.

Por isso, hoje em dia, sinto-me confortável com o meu lugar fora do ciclo do grito.

Sei que o que não quero receber e também estou tranquila com a minha decisão do que não quero dar.

© Isa Lisboa