O rio

As águas do rio correm violentas. Mas correm para a frente, não posso resistir-lhes. Não quero.

O tempo de estar sentada na margem do rio foi. Mas já não é mais. Há sempre um tempo. Um tempo para cada lugar.

As águas do rio assustam, sei que não as conseguirei controlar, talvez me atirem de uma margem à outra, ao longo do caminho. Talvez me atirem aos seixos do fundo. Mas seguirei. Estou decidida.

Vou chegar, não sei onde, o rio é que sabe. Ao mar, certamente, mas não sei a qual.

Só me interessa que poderei então provar o sal.

© Isa Lisboa

Alexey Zaycev

Imagem: Alexey Zaycev

 

Orientação

Trazia sempre uma bússola consigo. No entanto, andava sempre perdido.

Um dia encontrou um livro de História. Sobre o tempo dos navegadores. De como encontravam terra usando uma bússola e seguindo as estrelas.

Então decidiu comprar um barco.

A partir daí nunca mais precisou de uma bússola para encontrar o caminho.

© Isa Lisboa

sea-67911_640

Rodo a chave…

… devagar, apreciando o momento. Quando ela alivia a resistência, rodo-a de uma vez e entro, um pé a seguir ao outro, de peito aberto ao sol que entra pelas janelas e à brisa fresca que espalha boas energias à volta.

Olhando mais à frente, vejo como a vida flui lá fora, se renova e se reinventa ao sabor das estações, ao sabor do fio invisível que as conduz.

Se este espaço fosse uma casa, seria assim, gosto de pensar; sinto que sim.

Sentada no meio da sala, então viajo até 5 anos atrás. Quando nasceu o Instantâneos a preto e branco. Depois o Dias em que olho o mundo. Tantas descobertas em formas de palavras, tanto que os dois espaços me deram.

Recordo tudo com um sorriso, sei que aqueles eram os lugares das palvras de então.

As de agora pertencem aqui. A casa está quase vazia ainda. Pronta para receber e guardar os meus novos passos. Aqueles que dou na descoberta do (Eu)nigma que sou.

Num dos contos do meu primeiro livro, imaginei uma Menina de Plasticina que, um dia, se atreve a fazer uma pergunta aparentemente simples. Mas uma pergunta que acaba por se revelar enorme. E de tão grande que é, é a pergunta que todos devemos fazer, pois a resposta será o que mais nos preencherá e insuflará de vida.

A grande pergunta que se coloca é “Quem sou eu?” É uma pergunta à qual venho respondendo todos os dias, pois a cada dia que passa me completo e me reencontro de novo. Talvez na verdade sejamos todos um (Eu)nigma toda a vida. Ou talvez, antes, já tenhamos desvendado o mistério há muito, muito tempo. E apenas precisemos de lembrar.

Esta casa é apenas uma parte da minha busca e das minhas descobertas.

Querem conversar comigo? Entrem e sentem-se.

 © Isa Lisboa

welcome-to-our-home-1205888_960_720

Fonte imagem: www.pixabay.com