Sítio estranho

Que sítio estranho este! E é tão desconfortável! No início ainda teve piada, podia correr, remexer na terra, descobrir o que há dentro dos arbustos…! Na minha casa não me deixavam fazer isso, mas eu gostava mais de lá. Não chovia, e não fazia frio quando fica escuro. Nem havia estes barulhos estranhos, não sei o que são, não são como os da caixa que de vez em quando tem cores.

Tenho medo, mas acho que se ficar aqui escondido, não vai haver problema.

E sinto-me sozinho aqui, já passava muito tempo sozinho, mas antes do escuro tinha sempre companhia. Menos agora… Já não brincavam comigo como antes. Não sei porquê. Quando fui viver lá para casa, todos me chamavam para brincar, faziam-me sempre festas. Agora menos, muito menos.

Mas sinto falta dos meus humanos. Será que demorarão muito a vir buscar-me de volta?

Espero que não, este sítio é estranho! E tenho fome, não sei onde está a comida aqui, só encontro alguma de vez em quando.

Porque terão os meus humanos vindo para aqui…?!? Também não devem gostar disto; é tão diferente de casa!

 

***

 

Dois humanos que não conheço… Hum… Oh, fazem-me festas, devem ser bons humanos!

“Deves estar aqui há dias, pequenote!” – dizem,. Dias? Os meus humanos também falavam disso, nunca entendi o que são. Mas estou aqui há muito tempo, respondi-lhes.

Pegam-me ao colo e levam-me para uma daquelas coisas que os humanos usam para andar mais depressa. “Não quero ir, tenho que esperar pelos meus humanos!!!” – Grito-lhes!

Mas eles não me ouvem, ou se calhar também não me entendem, os meus humanos também nunca me entendem!

Não quero ir, mas estou tão cansado…

 

***

 

Outro sítio estranho…! Mas onde estou eu agora?!? Oiço outros cães, pergunto a um se é uma prisão.

Diz-me que não, que é um sítio para onde os humanos levam cães que não têm casa, para cuidar deles. “Mas eu tenho casa!” – “Estes humanos trouxeram-te de lá, perguntou-me.

“Não, trouxeram-me de um sítio feio, estranho. Os meus humanos deixaram-me lá, eu estava à espera que me fossem buscar.”

Ele olhou para mim e eu entendi. Nós entendemos, às vezes só demoramos mais tempo que os humanos, porque acreditamos neles.

“Vais ficar bem aqui.”

 

***

 

Aqui há vários humanos, tratam-me bem, fazem-me festas, dão-me comida. Não é como a minha casa, mas gosto de estar aqui.

Ontem um dos humanos estava triste, percebi que dizia ao outro que o armazém estava a ficar vazio… O que será que é o armazém?

© Isa Lisboa

 

Este texto foi publicado há alguns anos num dos meus primeiros blogs, Os dias em que olho o Mundo. Infelizmente, ainda é muito actual, e por isso, o republico.

 

Obrigada aos meus animais de estimação, os que me acompanham diariamente e os que já partiram. Obrigada por me ensinarem essa forma tão pura de amar, que praticam com tanta naturalidade: o amor incondicional!

 

 

Anúncios