Variações

Encontramos as nossas formas, os nossos lugares, mas quando somos viagem, sempre volta a vontade de partir e a pressa de sair. Para não chegar tarde. Mas sobretudo, para viver. Sempre viver. Ausente, erva daninha a alastrar, maluca, diferente, enredada na teia de mim. Igual. Igual a mim mesma. O que importa, afinal e no fim.

Que bom que exististe, António Ribeiro. Que bom que cresceste até seres Variações. Entre a Sé de Braga e Nova Iorque. António Variações, sempre presente.

🎵🎤🎼🎸

© Isa Lisboa

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s